Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MORE

Num só blog, está tudo aqui! O MORE tem desabafos/opiniões em relação a mim e ao que se passa à minha volta. Tem sugestões de cinema, televisão e não só. E tem mais, muito mais...

05
Nov16

Behind The Candelabra | +Filme

Behind the Candelabra.jpeg

 

Há já imenso tempo que andava para ver este “BEHIND THE CANDELABRA” mas sem saber porque, andava sempre a adiar. No entanto, há uns dias atrás não quis esperar mais. Peguei no filme e fiquei surpreendidos com aquilo que vi. Na verdade eu até já sabia que o filme iria valer a pena, pois na altura em que o filme passou pelo canal HBO, só cheguei a ler boas notícias em relação a ele. As críticas eram todas boas e por isso, tinha quase a certeza de que iria gostar. E realmente gostei! Este “Behind the Candelabra” foi uma surpresa bastante agradável, que conseguiu superar as minhas expectativas e por isso, hoje aqui fica a minha nova recomendação para quem quer ver um bom filme e não sabe qual deles escolher.

 

Ainda está na minha memória, o dia em que tomei conhecimento deste filme pela primeira vez. Foi numa altura em que o sites davam a notícia de que este filme não iria ser exibido nas salas de cinema, pois o realizador do filme, Steven Soderbergh, já muito conhecido por outros grandes filmes, andava a ter muita dificuldade em arranjar uma produtora que estaria interessado em comercializar o filme, pois segundo elas, este “Behind the Candelabra” era um filme “demasiado gay”. Enfim! Nunca percebemos muito bem o que eles queriam dizer com isso, até porque há filmes bem mais “gays” do que este e que chegam a ser comercializados. Mas isso agora não interessa! A HBO, que tem faro para reconhecer algo que possa vir a ter sucesso, resolveu apostar neste filme e fez muito bem. O filme como já aqui dissemos foi muito bem recebido pela crítica e chegou até a ganhar imensos prémios, incluindo dois Globos de Ouro.

 

O filme conta a história de Wladziu Valentino Liberace (Michael Douglas), ele que foi um pianista prodigioso que se tornou um ícone da América dos anos 1960/70, com os seus espectáculos extravagantes e inusitados, onde misturava o virtuosismo do piano clássico com as músicas populares da época. Neste filme, é contada a tempestuosa relação com o jovem Scott Thorson (Matt Damon), seu secretário e amante desde 1977, cuja relação terminou num escândalo público, depois de seis anos de intensa cumplicidade. Em 1987, pouco antes de morrer, Liberace faz um último telefonema ao ex-amante, com quem, finalmente, encontra forma de se reconciliar.

 

 

Este é um drama biográfico que se inspira no livro de memórias do próprio Scott Thorson, "Behind the Candelabra: My Life with Liberace", onde é descrita a sua vida com o músico. E apesar de eu por aqui não ser propriamente fã nem do realizador e nem mesmo dos dois protagonistas do filme, a verdade é que tenho que ser justo. Tanto o actor Michael Douglas, que aqui está irreconhecível, como o actor Matt Damon, estiveram excelentes nos seus papéis. Muito longe daquilo que normalmente costumam fazer e… vale a pena ver! Tenho a certeza que não irão arrepender-se…

17
Out16

Holding The Man | +Filmes

Holding The Man1.jpg

 

Hoje estou aqui para falar-vos de mais um filme que… me fez chorar. Sim! Depois de o ver, sentado no sofá eu chorei, chorei porque tinha as emoções todas à flor da pele. Eu sou um tipo romântico. Às vezes pode não parecer, mas eu sou romântico. Acredito nas histórias de amor e adoro uma bela história de amor. Na idade que tenho, é ridículo dizer isso, mas eu acredito nos contos de fadas, acredito em príncipes encantados, mas infelizmente, sei que nem sempre uma bela história de amor termina com «o viveram felizes para sempre». E infelizmente, a história do filme que hoje irei sugerir é uma dessas histórias, tristes, com um final dramático, mas que mesmo assim faz-me acreditar no amor. O amor que é a coisa mais bela do mundo, a coisa mais forte e… o amor é assim!

 

Holding The Man2.jpg

 

HOLDING THE MAN” é o nome de mais um dos filmes que está disponível no catalogo do Netflix. Há já imenso tempo que o Netflix, mediante aquilo que eu vejo, andava a sugerir esse filme, mas eu sempre andei a adiar. Mas hoje resolvi ver. Não tinha nada para fazer, nada para ver e por isso, dediquei um pouco mais de duas horas a ver este filme que eu simplesmente amei. Adorei do principio ao fim, apesar de um pouco depois do inicio, ter percebido logo de imediato, que este filme não iria terminar bem. Soube logo que iria ser um drama, soube logo que iria chorar e sim, chorei. Chorei por causa da bela história de amor entre o jovem Tim, um sonhador e aspirante a ator, que apaixona-se por John, um jogador de futebol. Os dois apaixonam-se na adolescência e apesar de todas as dificuldades que passam por causa da família e por causa da sociedade em geral, o seu amor acaba por ser mais forte do que tudo. Supera as dificuldades, os ciúmes, as crises que por norma todos os casais têm e juntos, os dois vivem uma história de amor que se prolonga por durante 15 anos. História essa que é real e que foi deixada por escrito no livro “Holding The Man”, pelo Timothy Conigrave que no filme é interpretado pelo ator Ryan Corr. Eu como gosto sempre de depois ver mais e saber mais, no final do filme, andei à procura do livro pela internet, mas infelizmente, ao que parece, ele nunca foi editado em português, no entanto pareceu-me encontrar uma edição em espanhol. Infelizmente, parece que não vou conseguir ter acesso ao livro que serviu de inspiração para este maravilhoso filme, realizado por Neil Armfield e que conta com algumas participações muito especiais de Anthony LaPaglia, Guy Pearce e Geoffrey Rush.

 

Holding The Man Poster.jpg

 

Para além da história ser muito bela e triste, este filme conta com uma banda sonora espetacular. Vale a pena ouvir! E claro, vale mesmo a pena ver este filme. Eu diria que ele é cinco estrelas e ao que parece, o filme foi muito elogiado pela crítica e chegou a ganhar a alguns prémios em festivais de cinema por onde passou e… por agora, nada mais digo. Apenas aceitem essa minha sugestão e depois partilhem comigo as vossas opiniões.

29
Jan16

Cinema | The Danish Girl (Tom Hooper_2015)

a rapariga dinamarquesa_img

 

 

 

Ontem foi dia de cinema. Fui ver um filme que pessoalmente a mim, diz-me muita coisa. Mas isso são conversas para outros artigos. Em relação ao filme, eu já tinha muita curiosidade em vê-lo, desde o dia em que vi pela primeira vez o trailer e que aliás, até falei dele aqui no blog há uns meses atrás. O filme já está em exibição desde o passado dia 31 de Dezembro e por isso, ele já não está presente em muitas das salas de cinema em Lisboa. No entanto, felizmente ainda consegui encontra-lo no El Corte Inglês e depois de ter visto o filme até ao fim, ou melhor, bastou ver os primeiros minutos do filme para que eu tivesse a certeza absoluta de que este “THE DANISH GIRL” era simplesmente maravilhoso!

 

 

 

Realizada por um homem que já está habituado a presentear-nos com grandes filmes, Tom Hooper soube uma vez mais surpreender-nos com uma obra de arte que merece toda a nossa atenção. Contando-nos aquela que poderá ter sido a história real daquela que foi a primeira transexual do mundo, Tom Hooper agarrou em dois artistas maravilhosos e com eles, soube fazer um filme lindo, um filme carregado de emoção, um filme muito delicado, um filme perfeito aos meus olhos, que durante o filme, não conseguiu conter algumas lágrimas e no fim... bem! No fim não consegui resistir! Enquanto os créditos passavam, deixei-me ficar ali a chorar pois é como eu disse no inicio deste texto, a história deste filme, por questões pessoais, mexe mesmo muito comigo.

 

 

 

O filme em si, não está nomeado para os Oscars, nem mesmo o realizador conseguiu essa proeza, no entanto, “A Rapariga Dinamarquesa”, conta com 4 nomeações, duas delas em categorias importantes. A de Melhor Actor e a de Melhor Actriz Secundária. E por aquilo que vi neste filme, apesar de ainda não conhecer o trabalho de todos os outros nomeados, acho que os protagonistas deste filme merecem ganhar o Oscar. O desempenho de ambos foi tão maravilhoso, tão convincente que facilmente eles tocaram no meu coração. Deixaram lá uma marca profunda, ao ponto de eu saber que tão cedo, não me irei esquecer desse filme.

 

 

 

Eddie Redmayne, por quem eu já sou apaixonado por ele desde o filme “Desejos Selvagens” (2007), onde ele era o objecto de desejo da própria mãe, aqui interpreta o papel de Einar Wegener, um pintor famoso da Dinamarca, que casado com Gerda (Alicia Vikander), aparenta ter uma vida feliz. Tudo na vida deles altera-se, quando Gerda, também ela artista, pede para que o seu marido vista umas meias de senhora, calce uns sapatos de senhora, e pede para que ele, pose para ela, já Gerda queria terminar uma das suas pinturas. Com essa atitude, algo que já estava adormecido há alguns anos, volta a despertar e com força na mente de Einar. Ao perceber que gosta de vestir-se e comportar-se com uma mulher, Einar, juntamente com a sua esposa, acabam por criar uma personagem, a doce Lili. Só que enquanto que para Gerda, a Lili não passa apenas de uma mera brincadeira, aos poucos, Einar vai percebendo que afinal não se consegue mais livrar-se da Lili. E quando Gerda percebe que o seu marido já não é o que era, isso irá ser um grande choque para a mulher que é perdidamente apaixonada por Einar. Apaixonada por aquele pintor que já não quer ser pintor, por aquele homem que já não quer ser homem ou pior, apaixonada por homem que na verdade nunca se sentiu homem, mas sim mulher. E claro que em plenos anos 20, um homem dizer que afinal, nasceu no corpo errado e sente que é mulher, aquilo era considerado loucura. Para os médicos, Einar estava completamente louco. Era esquizofrénico e tinha urgentemente que ser internado. A única pessoa que acreditou nele, que acreditou que na verdade Einar estava num corpo errado e que sim, ele era na verdade uma mulher, foi a sua própria esposa. Uma esposa que amava o seu homem e que mesmo sabendo que iria perder esse homem, esteve sempre do seu lado e ajudou-a a tornar-se numa mulher.

 

 

 

O desempenho Eddie Redmayne é maravilhoso. Vê-se mesmo que o jovem actor entregou-se de corpo e alma a essa personagem. Qualquer um que olhe para ele no filme, fica realmente convencido de que ele está preso num corpo que não é o seu mas, para além da sua maravilhosa interpretação, não posso deixar de salientar aqui o maravilhoso trabalho de Alicia Vikander. Tirando este filme, eu não me recordo de a ter visto em mais nenhum outro filme mas só com esse “A Rapariga Dinamarquesa”, eu fiquei rendido. Ela é uma excelente actriz e na pele de Gerda Wegner, acho até que consegue roubar toda a atenção. Apesar do filme contar a história do homem que quer ser mulher, o filme na verdade centra-se nesta Gerda que, nos anos 20, já estava muito a frente para o seu tempo. Eu próprio apaixonei-me pela Gerda. Eu próprio ambicionei ter uma mulher daquelas na minha vida e... que bom seria este mundo, se todos tivessem um coração tão grande como o dela. Adorei a personagem, adorei a actriz e muito sinceramente, estou a torcer por ela na corrida ao Oscar de Melhor Actriz Secundária.

 

 

 

a rapariga dinamarquesa_poster

 

 

 

Enfim! Depois de tudo o que já aqui disse, acho que já ficou bem claro que eu amei este filme e que recomendo a 100%. Assim que possível, vão vê-lo e preparem-se para as lágrimas que eu tenho a certeza que irão escorrer pelos vossos olhos.

 

 

 

Um abraço e até ao próximo filme...

14
Jan16

Filme | Saint Laurent (Bertrand Bonello_2014)

saint laurent movie 1

 

 

 

Chato! Chato! Muitíssimo chato! Infelizmente é assim que eu consigo caracterizar este filme que só ontem tive a oportunidade de o ver. Ele desde o final do ano que tem passado pelos canais TV Cine e eu sempre tive curiosidade em assisti-lo. E pensava eu que ao ver o filme, estaria perante uma obra de arte como eram as maravilhosas criações do estilista mas infelizmente, o filme "SAINT LAURENT" deixa muito a desejar. Ao longo de mais de duas horas, o filme retrata alguns dos momentos mais emblemáticos da vida do criador, mas o modo como conta esses momentos pessoais e profissionais é feita de uma forma tão insuportavelmente chata que para falar a verdade, eu nem sei como é que consegui chegar até ao final do filme sem mudar de canal, sem desligar a tv, ou até mesmo sem adormecer a meio. Enfim! Já deu para perceber que este filme não é mesmo do meu agrado e não há dúvidas quanto a isso. Nem irá valer a pena assisti-lo uma segunda vez.

 

 

 

Realizado por Bertrand Bonello, realizador que eu desconheço por completo, este "Saint Laurent" é protagonizado pelo jovem Gaspard Ulliel, que aqui interpreta o papel do criador Yves Saint Laurent. E se o filme teve algo de bom, foi sem dúvida a maravilhosa interpretação do actor. Gaspard Ulliel entregou-se de corpo e alma à sua personagem que é quase impossível não ficar fascinado. Seja em momentos de puro silêncio, onde reinava os olhares e os gestos, ou seja em momentos de diálogos, Gaspard teve aqui um desempenho fabuloso. Pena é que depois esse seu desempenho não tenha conseguido fazer com que um mau roteiro, com voltas e reviravoltas no tempo, se tornasse num bom filme. Com certeza, haverá por aí muitas opiniões diferentes da minha, pois ao que parece este filme ganhou e foi nomeado para prémios em alguns festivais de cinema mas... aqui no MORE o que reina é a minha opinião. E nem mesmo com a presença do actor Louis Garrel, um actor francês que eu muito admiro e que já se está a tornar um perito em papéis de homossexual, serviu com que o filme se tornasse mais interessante. Muito pelo contrário! Tirando a personagem de Gaspard Ulliel, que era o protagonista, todas as outras personagens eram muito estranhas. Pareciam que estavam deslocadas na história, enfim...

 

 

 

Gravado na minha box tenho ainda o outro filme do estilista, o "Yves Saint Laurent" do realizador Jalil Lespert, mas depois de ter assistido a este "Saint Laurent", confesso que já estou com um pé atrás em relação ao outro. Será que vai valer a pena assistir? Ou será que irá ser mais do mesmo? Eu lembro-me que quando os filmes estrearam em 2014, lembro-me de ter lido algures que um é melhor do que o outro mas... qual será o melhor? Se vocês tiverem a resposta não hesitem em partilhar esse conhecimento comigo.

 

 

 

saint laurent movie 2

 

 

 

Ah! E para quem está curioso em saber se este filme apresenta algumas cenas de homosexo, sim! O filme tem alguns momentos interessantes, alguns nus frontais mas... serão esses uns bons motivos para quererem ver o filme?

03
Set15

Cinema | Pride (Matthew Warchus_2014)

Pride

 

 

 

Por acaso já tiveram a oportunidade de assistirem ao filme "PRIDE"?! Olha que se a resposta for "não", a única coisa que eu tenho para vós dizer, é que devem vê-lo o quanto antes. É que vocês nem imaginam o grande filme que estão a perder. Eu recomendo o "Pride" a 100%  e quem já o viu, irá com certeza concordar comigo, quando eu digo que este filme é 5 estrelas! Não percam!

 

 

 

Infelizmente, na altura em que estreou nas nossas salas de cinema, há uns bons meses atrás, eu não tive a oportunidade de o ir ver. Sabia, através do trailer, que com toda a certeza absoluta eu iria amar esse "Pride" mas não surgiu a oportunidade para ir vê-lo no grande ecrã. Mas nunca é tarde! E ontem, resolvi passar parte da minha tarde a ver este filme realizado por Matthew Warchus e que conta com um maravilhoso elenco de jovens actores e de outros actores já muito conhecidos e talentosos, como é o caso de Bill Nighy. O seu nome é talvez o mais sonante de todo o elenco isto apesar de a sua personagem ser até muito pequena mas nem por isso, desinteressante. Aliás, uma das grandes cenas do filme é apenas protagonizada por ele e pela actriz Imelda Staunton e essa cena, que eu não vou revelar qual é, está simplesmente fantástica. Ou melhor! Todo o filme é fantástico! Do principio ao fim, o filme conseguiu cativar-me a cada momento, a cada cena, a cada história conjunta ou individual, enfim... Ri muito com este filme. Soltei mesmo grandes gargalhadas com aquele grupo de mulheres que pareciam que nunca se tinham divertido na vida. Mas não eram só elas que me faziam rir. Eles também! E por incrível que pareça, do riso passei ao choro. Comigo é sempre assim! Quando um filme tão belo consegue tocar-me bem cá dentro, eu não resisto. As lágrimas caiem-me do olhos e momentos de emoção é o que não falta ao longo de todo este filme. Houve muitos momentos para chorar mas não de tristeza. Chorei de alegria, com aquela pequena cena que mostra o reencontro de um filho gay, com a sua mãe ao fim de 16 anos. Isso foi o suficiente para o meu rosto ficar lavado em lágrimas. Ai! Ai! Que mais posso eu dizer? Adorei! E brevemente vou querer revê-lo novamente e disso não tenho dúvidas.

 

 

 

 

 

 

Baseada numa história real, "Pride" conta a história de um grupo de homossexuais, que de um dia para o outro, resolvem apoiar a crise dos mineiros. Claro que esse apoio não será bem visto nem pela restante comunidade gay em Londres e nem mesmo pelos mineiros mas... com o tempo as coisas vão mudando. E mais importante do que apoiar a causa dos mineiros, são os laços de amizade que aos poucos, vai surgindo entre esse pequeno grupo de gays e lésbicas e os habitantes de uma pequena vila. Apesar de muito diferentes, apesar de cada um ter as suas próprias batalhas para enfrentar, todos ficarão unidos. Não interessa as diferenças que possam existir. O importante mesmo é a união, a cumplicidade, a amizade e... ainda estou muito comovido com tudo o que vi nesse filme. Mas enfim!!

 

 

 

Para além de rir e para além de chorar, eu também tive tempo para me apaixonar. Bem! Para falar a verdade, recordei uma velha paixão e foi bom recordar. Não sei se se lembram, mas há uns dias atrás falei-vos aqui de duas séries britânicas que tinham como protagonistas, o jovem Freddie Fox que... Meu Deus! Ele entra neste "Pride" e apesar da sua personagem ser um tanto feminina, eu continuo na mesma apaixonado por ele. Gosto muito desse jovem actor e espero encontrá-lo em breve em outros filmes. Mas também não foi fácil resistir ao Ben Schnetzer, que aqui interpreta o personagem Mark. Mas acho que vou parar de citar nomes. Todo o elenco era maravilhoso e eu apaixonei-me por todos eles. Assim como também me apaixonei pela banda sonora do filme e... já nem sei o que vós diga! Só sei que tenho muito orgulho em ter visto este filme e em estar agora aqui, a deixar-vos essa óptima recomendação. Preparem o baldinho de pipocas, reúnem a família na sala e desfrutem deste "Pride"...

 

 

 

Pride (poster)

Os meus blogs

Calendário

Fevereiro 2018

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728

Mais sobre mim

Projeto | Eu Sou Gay

Tens algo a dizer?

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Sigam-me no Twitter

Quer ler histórias MORE?

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.