Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MORE

Num só blog, está tudo aqui! O MORE tem desabafos/opiniões em relação a mim e ao que se passa à minha volta. Tem sugestões de cinema, televisão e não só. E tem mais, muito mais...

08
Set17

Querelle | +Filme

querelle-1982-7.jpg

 

Título original: Querelle | Ano: 1982| Origem: Alemanha, França | Género: Drama | Realizador: Rainer Werner Fassbinder | Elenco: Brad Davis, Franco Nero, Jeanne Moreau | Mais informações no IMDb | Classificação: 1 estrela

 

Sinopse do filme: O marujo francês Querelle chega a Brest e frequenta um estranho bordel. Logo descobre que seu irmão Robert é amante da dona do lugar, Lysiane. "Aqui você pode jogar dados com Nono, o marido de Lysiane: se você ganhar, pode fazer amor com ela; se perder terá que fazer amor com Nono..." Querelle perde de propósito.

 

Querelle_poster.jpeg

 

A minha opinião: Haverá ainda algum gay que não conheça o filme “Querelle”? Muito provavelmente, todos os que são da minha geração e gerações anteriores devem ter conhecimento deste filme. Ele é um clássico. Ele é bem conhecido por todos e se há quem goste dele, há ainda quem o deteste e acho que esse foi o meu caso. Eu já desde muito jovem que tinha conhecimento do filme e apesar dele ter passado algumas vezes na TV, eu nunca tive curiosidade em vê-lo. Só através das imagens dos trailers, eu dava como certo de que não iria gostar do filme e no final, eu estava mesmo certo em relação a isso. Um dia resolvi arriscar. Vi-o do princípio ao fim, mas nada do que o filme mostre foi do meu agrado. Na minha opinião, este “Querelle” é realmente um filme muito mau. Um filme onde nada faz sentido e por isso, acho que nem vale a pena perder tempo com ele.

27
Jan17

Freier Fall | +Filme

Quando há uns tempos atrás falou-se no filme que hoje irei sugerir, lembro-me que muitos sites e blogs o caracterizavam-no como se ele se trata de uma nova versão do tão conhecido filme “O Segredo de Brokeback Mountain”. A diferença é que enquanto o filme de Ang Lee retratava o amor entre dois cowboys, neste filme alemão, realizado por Stephan Lacant, o amor vem por parte de dois polícias. São duas histórias diferentes, retratadas em tempos diferentes, em países diferentes, mas não podemos negar que haja de facto algumas parecenças entre os dois filmes. Eu tenho que admitir que adoro “O Segredo de Brokeback Mountain” mas tenho que confessar que também fiquei fascinado por este “FREIER FALL” que sem dúvida alguma, merece toda a nossa atenção. Eu se fosse a ti, arriscava em vê-lo pois acho que não irás arrepender-te.

 

Freeir Fall.jpg

 

Apesar de já ter visto este filme há já algum tempo, só mesmo agora é que estou a falar dele e isso porque, à semelhança de alguns filmes que já aqui sugeri, este também faz parte da minha lista de favoritos. Não me recordo se o filme já alguma vez passou pelas nossas salas de cinema – coisa que eu duvido muito – e também não sei se alguma vez passou em festivais de cinema tipo Queer Lisboa. O que sei é que felizmente um dia tive acesso ao filme e ainda bem que o vi. O filme é cinco estrelas! Ele conta com um elenco fantástico, um elenco de atores em que como protagonista, temos um dos atores sensação da série “Sense 8”, o todo bonito e maravilhoso Max Riemelt, que já tem alguma experiência em filmes de temática gay. Mas todos os atores estiveram bem convincentes nos papéis que agarraram e a realização também está de parabéns, a história é também muita boa, onde sem nunca perder a postura, este filme conta com algumas cenas de sexo e os dois protagonistas trocam vários beijos selvagens. Vale a pena ver!

 

Freier Fall poster.jpeg

 

Freier Fall” conta ainda com outras cenas marcantes, tais como a cena em que a namorada de Marc, o polícia que cai em tentação, entra em desespero ao saber que foi trocada por um homem. Sem saber como irá satisfazer o seu homem, os dois têm uma cena no duche que eu achei fantástica. Aliás, no decurso do seu diálogo, a namorada até diz que nesta situação ela nem tem direito a ter inveja do outro, pois ela claramente sabe aquilo que o outro tem que ela não tem. Mas o filme, que chega a ter um ritmo calmo, chega a ter outras cenas marcantes e eu volto a dizer, o filme é bom, muito bom! Mas se dúvidas da minha palavra, procura o trailer do filme no meu canal do YouTube, lê a sinopse e depois tira tu as conclusões se queres ou não ver o filme.

 

Ah! E se a informação que consta no IMDb for verdadeira, está para breve uma continuação deste filme, mantendo o ator Max Riemelt. É esperar para ver se isso é verdade.

17
Dez16

Skoonheid - Beauty | +Filme

Skoonheid.jpeg

 

Vou aproveitar agora algum deste meu tempo livre que tenho no momento, para deixar-vos aqui, mais uma ótima sugestão de cinema para ver em casa muito bem acompanhado, nem que seja apenas por um balde de pipocas. Ao longo da semana que passou, aproveitei para falar de alguns dos meus filmes favoritos de temática gay, e a sugestão de hoje, está também presente na minha lista de favoritos. O filme chama-se “SKOONHEID - Beauty” e aviso desde já que este filme não é para todos.

 

E atenção! Quando eu digo que este filme não é para todos, não é por considerar que este seja um filme de terror, ou um filme com muito sexo à mistura e só para maiores de 18 anos, enfim… Apenas alerto para o facto de considerar este um filme muito forte, com algumas cenas revoltantes que com certeza, irá deixar muitas pessoas a pensar no assunto e até mesmo mal dispostas com a situação. Bem! Talvez esteja a exagerar um pouco, mas a verdade é que quando vi esse filme pela primeira vez, houve de facto alguns momentos revoltantes e lá mais para o final do filme, senti que estava a levar um valente murro no estômago. Enfim! Só mesmo vendo o filme para perceberem o que quero dizer com isso.

 

Skoonheid poster.jpeg

 

Muito aplaudido pela crítica, onde aliás chegou a receber dois grandes prémios (no Festival de Cannes e no Durban International Film Festival em 2011), este filme aborda um tema muito real na nossa sociedade, ou seja, aborda o tema de homens bem casados, pais de filhos, mas que depois, tem o secreto desejo de terem relações com outros homens. E no caso do protagonista principal deste filme, para além dele ter aventuras com outros homens, ele irá ter ainda uma enorme atracão pelo filho de um amigo. Essa atracão pelo jovem vai ser tão forte, que ele chegar mesmo a perder a cabeça e a cometer uma grande loucura. E é essa a loucura que irá deixar qualquer um revoltado mas… sugiro que assim que possível, tentem ver o filme na totalidade. Tenho a certeza que vai valer a pena…

29
Jan16

Cinema | The Danish Girl (Tom Hooper_2015)

a rapariga dinamarquesa_img

 

 

 

Ontem foi dia de cinema. Fui ver um filme que pessoalmente a mim, diz-me muita coisa. Mas isso são conversas para outros artigos. Em relação ao filme, eu já tinha muita curiosidade em vê-lo, desde o dia em que vi pela primeira vez o trailer e que aliás, até falei dele aqui no blog há uns meses atrás. O filme já está em exibição desde o passado dia 31 de Dezembro e por isso, ele já não está presente em muitas das salas de cinema em Lisboa. No entanto, felizmente ainda consegui encontra-lo no El Corte Inglês e depois de ter visto o filme até ao fim, ou melhor, bastou ver os primeiros minutos do filme para que eu tivesse a certeza absoluta de que este “THE DANISH GIRL” era simplesmente maravilhoso!

 

 

 

Realizada por um homem que já está habituado a presentear-nos com grandes filmes, Tom Hooper soube uma vez mais surpreender-nos com uma obra de arte que merece toda a nossa atenção. Contando-nos aquela que poderá ter sido a história real daquela que foi a primeira transexual do mundo, Tom Hooper agarrou em dois artistas maravilhosos e com eles, soube fazer um filme lindo, um filme carregado de emoção, um filme muito delicado, um filme perfeito aos meus olhos, que durante o filme, não conseguiu conter algumas lágrimas e no fim... bem! No fim não consegui resistir! Enquanto os créditos passavam, deixei-me ficar ali a chorar pois é como eu disse no inicio deste texto, a história deste filme, por questões pessoais, mexe mesmo muito comigo.

 

 

 

O filme em si, não está nomeado para os Oscars, nem mesmo o realizador conseguiu essa proeza, no entanto, “A Rapariga Dinamarquesa”, conta com 4 nomeações, duas delas em categorias importantes. A de Melhor Actor e a de Melhor Actriz Secundária. E por aquilo que vi neste filme, apesar de ainda não conhecer o trabalho de todos os outros nomeados, acho que os protagonistas deste filme merecem ganhar o Oscar. O desempenho de ambos foi tão maravilhoso, tão convincente que facilmente eles tocaram no meu coração. Deixaram lá uma marca profunda, ao ponto de eu saber que tão cedo, não me irei esquecer desse filme.

 

 

 

Eddie Redmayne, por quem eu já sou apaixonado por ele desde o filme “Desejos Selvagens” (2007), onde ele era o objecto de desejo da própria mãe, aqui interpreta o papel de Einar Wegener, um pintor famoso da Dinamarca, que casado com Gerda (Alicia Vikander), aparenta ter uma vida feliz. Tudo na vida deles altera-se, quando Gerda, também ela artista, pede para que o seu marido vista umas meias de senhora, calce uns sapatos de senhora, e pede para que ele, pose para ela, já Gerda queria terminar uma das suas pinturas. Com essa atitude, algo que já estava adormecido há alguns anos, volta a despertar e com força na mente de Einar. Ao perceber que gosta de vestir-se e comportar-se com uma mulher, Einar, juntamente com a sua esposa, acabam por criar uma personagem, a doce Lili. Só que enquanto que para Gerda, a Lili não passa apenas de uma mera brincadeira, aos poucos, Einar vai percebendo que afinal não se consegue mais livrar-se da Lili. E quando Gerda percebe que o seu marido já não é o que era, isso irá ser um grande choque para a mulher que é perdidamente apaixonada por Einar. Apaixonada por aquele pintor que já não quer ser pintor, por aquele homem que já não quer ser homem ou pior, apaixonada por homem que na verdade nunca se sentiu homem, mas sim mulher. E claro que em plenos anos 20, um homem dizer que afinal, nasceu no corpo errado e sente que é mulher, aquilo era considerado loucura. Para os médicos, Einar estava completamente louco. Era esquizofrénico e tinha urgentemente que ser internado. A única pessoa que acreditou nele, que acreditou que na verdade Einar estava num corpo errado e que sim, ele era na verdade uma mulher, foi a sua própria esposa. Uma esposa que amava o seu homem e que mesmo sabendo que iria perder esse homem, esteve sempre do seu lado e ajudou-a a tornar-se numa mulher.

 

 

 

O desempenho Eddie Redmayne é maravilhoso. Vê-se mesmo que o jovem actor entregou-se de corpo e alma a essa personagem. Qualquer um que olhe para ele no filme, fica realmente convencido de que ele está preso num corpo que não é o seu mas, para além da sua maravilhosa interpretação, não posso deixar de salientar aqui o maravilhoso trabalho de Alicia Vikander. Tirando este filme, eu não me recordo de a ter visto em mais nenhum outro filme mas só com esse “A Rapariga Dinamarquesa”, eu fiquei rendido. Ela é uma excelente actriz e na pele de Gerda Wegner, acho até que consegue roubar toda a atenção. Apesar do filme contar a história do homem que quer ser mulher, o filme na verdade centra-se nesta Gerda que, nos anos 20, já estava muito a frente para o seu tempo. Eu próprio apaixonei-me pela Gerda. Eu próprio ambicionei ter uma mulher daquelas na minha vida e... que bom seria este mundo, se todos tivessem um coração tão grande como o dela. Adorei a personagem, adorei a actriz e muito sinceramente, estou a torcer por ela na corrida ao Oscar de Melhor Actriz Secundária.

 

 

 

a rapariga dinamarquesa_poster

 

 

 

Enfim! Depois de tudo o que já aqui disse, acho que já ficou bem claro que eu amei este filme e que recomendo a 100%. Assim que possível, vão vê-lo e preparem-se para as lágrimas que eu tenho a certeza que irão escorrer pelos vossos olhos.

 

 

 

Um abraço e até ao próximo filme...

19
Set15

Cinema | Praia do Futuro (Karim Aïnouz_2014)

 

 

 

O Queer Lisboa - o Festival Internacional de Cinema Queer - regressou ontem às salas do Cinema São Jorge em Lisboa, para aquela que é a 19º edição do festival. Para a abertura, a organização escolheu um filme brasileiro e apesar de eu não ter tido a oportunidade de passar pelo São Jorge para assistir ao visionamento do filme, eu já tinha visto o filme em causa, há uns bons meses atrás. Penso até que o vi no final de Dezembro de 2014 e na altura, andava muito curioso em relação a ele, devido há muita polémica que o filme gerou no Brasil. Independentemente da polémica, o filme chegou a ser um desilusão para mim mas vamos por partes...

 

 

 

O filme exibido ontem no Queer Lisboa, foi "PRAIA DO FUTURO", um filme do realizador Karim Aïnouz e que conta com a participação de um actor muito querido pelos brasileiros e não só, o Wagner Moura. O actor, apesar de já ter feito vários filmes (da comédia ao drama), apesar de já ter participado em algumas novelas, pode-se dizer que aqui em Portugal, ela é mais conhecido pelos filmes "Tropa de Elite", onde aí ele interpretava o papel de um macho valente. Por isso, quando o filme "Praia do Futuro" estreou no Brasil, as pessoas como gostam do trabalho do actor, foram a correr ver o filme mas não estavam à espera de encontrar um Wagner a interpretar um papel de um homossexual, com direito a beijos e a cenas de sexo gay bastante ousadas. Na altura da estreia do filme nas salas do Brasil, leu-se muito pela net, a revolta dos espectadores ao serem surpreendidos com a primeira cena de sexo no filme. A revolta foi tanta que, quando eu há uns tempos atrás decidi ver o filme, achei que iria ver algo mesmo muito extraordinário, fora do normal, já que a população daquele país ficou perplexo mas... olha?! Se querem mesmo saber a minha opinião, eu não achei nada de especial. A cena de sexo não tem nada de novo e o filme em si, também não tem nada de espantoso. Depois da muita curiosidade inicial em querer ver o filme, chegou a um momento do filme em que eu já questionava: «mas será que isso nunca mais acaba?» É que o filme é chato! Mesmo muito chato do principio ao fim e nem mesmo a interpretação do actor Wagner Moura, que todos sabemos que é na verdade um excelente actor, conseguiu fazer com que esse filme tivesse um outro encanto. Este é daqueles filmes que vi, não pretendo ver uma segunda vez mas de qualquer forma, aqui fica a recomendação para quem quiser arriscar e de qualquer forma, essa foi a escolha da organização do Queer Lisboa para dar inicio ao festival. Na minha opinião não foi de todo uma boa escolha para a abertura mas caso tenhas estado na abertura do festival, caso tenhas visto e gostado, não hesitem em partilhar essa vossa opinião comigo.

 

 

 

Para além do actor Wagner Moura, o filme conta ainda com a presença de outros dois actores protagonistas. Um deles é o jovem Jesuíta Barbosa, que já aqui falei dele, e que neste filme, interpreta o irmão revoltado da personagem interpretada pelo Wagner Moura. É uma personagem pequena, que surge apenas lá quase no final do filme e para ser sincero, acho que a entrada dessa personagem nada fez mudar o rumo da história. Tudo continuou chato e aborrecido como sempre. Mas mais chato ainda, foi a presença do actor alemão Clemens Schick. Um actor que para mim, mais parecia um amador do que qualquer outra coisa e que agarrou um papel mesmo muito aborrecido. Mas aborrecido (e muito!) também foram as várias cenas de silêncio do filme. E olha que eu sou apreciador de filmes com poucos diálogos. Daqueles filmes em que um silêncio diz mais do que mil palavras mas os constantes silêncios dessa "Praia do Futuro" nada diziam. Parecia apenas que eram para 'encher chouriços'. Não acrescentava nada de novo no desenrolar da história, história essa que por sinal era muito fraca.

 

 

 

 

 

 

Mas chega de criticar a "Praia do Futuro". Agora que o Queer Lisboa 19 já arrancou, nos próximos dias (até ao dia 26 de Setembro) o festival irá apresentar-nos muitas longas-metragens, muitas curtas, muitos documentários e eu, se não andasse tão ocupado e tão cansado, não me importava nada de apanhar por lá alguns filmes que eu queria muito ver. Pode ser que, no final de um dia de trabalho, eu tenha coragem de em vez de vir para casa e estender-me na cama, optar por ir até ao Cinema São Jorge e quem sabe se não é por lá que nós vamos encontrar...

 

 

 

[ver o trailer do filme...]

Os meus blogs

Calendário

Fevereiro 2018

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728

Mais sobre mim

Projeto | Eu Sou Gay

Tens algo a dizer?

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Sigam-me no Twitter

Quer ler histórias MORE?

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.